DESTAQUE FALECIMENTOS

Nota de falecimento. Vavá Campos Squilaro aos 61 anos

Vavá Campos Squilaro faleceu aos 61 anos

Vavá Campos Squilaro, 61 anos, faleceu na madrugada desta quinta-feira (11 de fevereiro) no Incor (Instituto do Coração), em São Paulo.

O velório será nesta sexta-feira (12 de fevereiro), das 7 às 11 horas, com sepultamento no Cemitério da Paz.

Vavá passou por uma cirurgia para a colocação de um stent, porém sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. Deixa os filhos Leandro e Patrícia e a neta Maria.

Vavá era subtenente aposentado da reserva Aeronáutica e tinha um grande círculo de amizade na cidade, frequentador do Bar do Tingo e do Clube do Sindicato dos Metalúrgicos de Mairinque.

Para a surpresa de muita gente, Vavá é o nome de batismo por iniciativa dos pais Orlando e Therezinha que decidiram prestar uma homenagem à Seleção Brasileira que encantou o mundo a partir da conquista da Copa do Mundo de 58, na Suécia.

A primeira homenagem veio para o atacante Mazzola quando faltavam menos de três meses para o início do mundial. Mas não foi o primeiro filho do casal. Antes nasceram Aparecido (que faleceu com apenas 10 meses) e Iara.

Além disso, Orlando já era pai de Janete, Miriam, Romilda e Roberto de outro casamento. Therezinha trazia de uma primeira união Benedito, Reinaldo e Cláudio.

No ritmo das conquistas da Seleção Brasileira, que quatro anos depois seria bicampeã no Chile, vieram outros filhos com nome de craques.

Vavá nasceu em 1959. Difícil foi convencer o funcionário do cartório a fazer o registro. Depois vieram Zagallo e Garrincha, onde novamente foi preciso driblar a resistência.

Vavá era para ter um irmão chamado Didi, mas desta fez a “defesa” do cartório estava irredutível.

Waldir Pereira, o gênio do futebol que criou a “folha seca” na cobrança de falta, não pode ter o apelido reproduzido folha de registro do cartório de São Roque. Didi virou Gilmar em referência ao goleiro Gylmar dos Santos Neves.

A família ficou completa com os nascimentos de Léa, Branca, Paula e os dos últimos homens com nomes de piloto de F-1: François (homenagem ao francês Albert François Cevert morreu em um treino um dia antes do nascimento) e Peterson (o italiano Ronnie Peterson que também morreu em um acidente).

Em 1999, Vavá (agachado) com alguns irmãos e os pais Therezinha e Orlando. Garrincha, Mazzola, Peterson e Zagallo. Foto Carlos Mello/Jornal da Economia

GALERIA

Em 1999, publiquei na coluna Galeria do Jornal da Economia uma reportagem do casal Orlando e Therezinha que colocou nos filhos nomes de esportivas, principalmente da Seleção Brasileira.

Família Campos Squilaro na coluna Galeria do Jornal da Economia

 

Programa Linha Aberta

Arquivos

CATEGORIAS